terça-feira, 4 de março de 2014

Por que?

Não estou mais em uma ponte... Parece que agora me encontro em um lugar escuro onde procuro várias respostas, onde procuro pelo menos uma porta... Mas parece que quanto mais eu tento mais me aprofundo nessa escuridão que mais parece um labirinto. Quero uma resposta que me leve a você... Por que? Por que? E por que? São como um eco nos meus pensamentos... Por que com você? Por que com a gente? Por que com nossa família? Por que me deixou? Por que não aparece nem em sonhos? Será que te afastei? Será que não demonstrei o suficiente o quanto eu precisava de você? Será que você não vê o quanto eu ainda preciso de você? Onde será que você está? Será que não me vê? Será que você também não vê o quanto sou destroçada por dentro? Será que você não vê que nunca mais fui inteira... Que naquele dia foi enterrado com você a maior parte de mim? Será que você também não enxerga a dor por trás dos meus sorrisos? Será que você também não percebe que quando eu mais dou risada é quando eu estou tentando disfarçar a dor me sufocando? Será que fiz mal a você todas aquelas vezes quando criança que chorei pedindo pra você voltar? Será que fiz mal quando usei a fantasia como refúgio? Será que disfarcei bem demais a ponto de fazer você acreditar que me esqueci de você? Será que em algum momento eu realmente me esqueci de você? Por que? Por que não te sinto? Por que não sonho com você? Por que todas as vezes que tento falar com você não consigo sair dos "Por que?"?..

De mim para mim

O que aconteceu com você? Em que momento você começou a sorrir sem deixar o sorriso chegar aos olhos? Quando foi que você construiu esse muro entre você e o mundo? O que se passava na sua cabecinha infantil quando começou a pensar de forma adulta? Você era uma criança, era para os seus sentimentos terem sido transparentes... Era para você ter chorado, esperniado para alguém te consolar... Você era apenas uma criança, merecia um colo... Mas não, você preferiu se esconder dentro de si, preferiu usar máscaras para não deixar os outros preocupados, preferiu sofrer calada, chorar escondida, ver seu coração sendo estilhaçado sem ao menos dizer uma palavra em voz alta. Não era para ter sido assim... Se tivesse sido diferente você já teria superado, ao menos conseguiria falar sobre isso sem sentir seu coração sendo massacrado... Como se cutucassem uma ferida que estava cicatrizando, mas que por baixo ainda está inflamada.